paulo-lapa-xiquitsiEntusiasta da pluralidade e diversidade do mundo operático, o tenor lírico e encenador Português dividiu a sua formação entre Portugal e Estados Unidos. Licenciado em música – Performance Vocal – pela Universidade de Aveiro muda-se para Boston, EUA e como bolseiro da fundação VoicExperience liderada pelo legendário barítono Americano Sherrill Milnes completa o curso “New York – Opera as Drama” entre 2014 e 2016. Durante o período em que reside nos EUA aperfeiçoa a sua técnica vocal com Gerald M. Moore e inicia também uma estreita colaboração com o Savannah Voice Festival sendo nomeado Director do Projeto Educativo para esta companhia de Ópera e Coordenador das Atividades para desenvolvimento de novos públicos. O alargamento e aprofundamento das suas capacidades no mundo operático acontece através da colaboração com a Associação Norte Cultural, onde assumiu as mais diversas posições nos seus espetáculos de ópera: legendagem, aderecista, figuração, músico, diretor de cena, assistente de encenação, coordenador de produção e encenador.

Encenou no Coliseu do Porto o espetáculo Sheherazade de Ravel, Requiem de Verdi, no Teatro de Vila do Conde, Teatro Bernardim Ribeiro em Estremoz e Museu de Leiria a ópera O Barbeiro de Sevilha de Rossini, Visitação à Ópera Carmen de Bizet em Pinhel e Visitação à Ópera Eugene Onegin de P.I. Tchaikovsky em Viseu.
No verão de 2018 assinou a encenação da Ópera La Traviata de Verdi no Teatro José Lúcio da Silva em Leiria.
Em 2019 encenou a icónica ópera de Mozart – A Flauta Mágica – e estreará ainda duas novas produções: Orfeu nos Infernos de Offenbach em Maputo, Moçambique e Madama Butterfly em Leiria.

Como diretor de cena colaborou nas produções de Le nozze di Figaro, Il Barbiere di Siviglia, Nabucco, Rigoletto, La traviata, Otello, Carmen, Samson et Dalila, Eugene Onegin, La Bohème, Madama Butterfly, Gianni Scchichi e Il Segreto di Susanna.

Em Portugal cantou com a Orquestra Filarmonia das Beiras os papéis de Dancairo (Carmen), Monsieur Vogelsang (Der Schauspieldirektor) e segundo sacerdote (Die Zauberflöte). Na série “Leituras de ópera Portuguesa” do Teatro Nacional de São Carlos cantou Rodolfo (Sampiero) sob a direção do Maestro João Paulo Santos. Já teve o privilégio de trabalhar o seu repertório com Sherrill Milnes, Susan Waters, Hakan Hagegard, Jorge Parodi, Christopher Cano e Fabrizio Melano. Atualmente faz parte do estúdio vocal de Michelle Wegwart em Nottingham e foi previamente aluno de Isabel Alcobia. Iniciou os seus estudos musicais na Academia de Música de Vilar do Paraíso (AMVP) como guitarrista clássico e sob a orientação de Augusto Pacheco. Como membro da Orquestra de Guitarras da mesma instituição gravou dois CDs – Co(m)trastes e Plaisir – e atuou em Portugal, França, Rússia e Alemanha. Ensinou guitarra clássica durante dez anos, e foi docente da AMVP durante quatro.