Peter Martens obteve um PhD na Universidade de Stellenbosch, onde estudou nos seus anos de formação com Dalena Roux, antes de estudar com Heidi Litschauer no Mozarteum em Salzburg. Em 1993 Peter voltou para a África do Sul e ocupou posições de destaque na New Arts Philharmonic de Pretória e na Filarmónica da Cidade do Cabo, antes de se mudar para a Universidade de Stellenbosch onde actualmente ocupa a posição de Director do Festival Internacional de Música de Câmara de Stellenbosch.
É membro do Amici String Quartet, desfrutou de parcerias de música de câmara com, entre outros, Leon Bosch (contrabaixo), David Juritz , Benjamin Schmid, Sergei Malov e Suzanne Martens (violino) e Leslie Howard (piano) e actuou também com o Brodsky String Quartet em Londres. Dos compromissos em concertos resultaram colaborações com alguns excelentes maestros, incluindo Victor Yampolsky, Bernard Gueller, Douglas Boyd, Wolfram Christ, Nicholas Cleobury e Jonas Alber. Participou em festivais na Rússia, Holanda, Salzburg, Zimbábwè, Moçambique e Portugal, tendo actuado também no Reino Unido e nos Estados Unidos. Muitos compositores Sul Africanos compuseram para ele, sendo a composição mais notável o Concerto para Violoncelo por Allan Stephenson, que ele gravou para a Meridian com a Filarmónica da Cidade do Cabo. Gravou com Luís Magalhães as Sonatas para Violoncelo de Beethoven e as Suites de Bach para Violoncelo para a Two Pianists Records. Peter adquiriu recentemente um violoncelo Barroco, tendo actuado com o L`Orfeo Baroque na celebração dos 50 anos de carreira musical do Dr. Barry Smith que teve lugar na Cidade do Cabo.
Peter Martens é casado com a violinista Suzanne Martens e tem dois filhos.